Histórico

 

 

O Instituto do Vinho, do Bordado e do Artesanato da Madeira, IP - RAM ( IVBAM), nasce da fusão do Instituto do Vinho da Madeira e do Instituto do Bordado, Tapeçarias e Artesanato da Madeira. É o Organismo responsável pela fiscalização das actividades vitivinícolas regionais e pela certificação e controlo de qualidade do Vinho da Madeira.

Considerando a extrema importância do Vinho Madeira, a Região Autónoma da Madeira criou em 1979 o Instituto do Vinho da Madeira. Sucedendo à Delegação da Junta Nacional do Vinho na Região, o Instituto do Vinho da Madeira, teve como principal missão assegurar a conveniente disciplina da produção e do comércio do Vinho Madeira e, em geral, coordenar na Região Autónoma da Madeira as actividades vitivinícolas.

Delineadas que foram as linhas prioritárias de actuação, o Instituto do Vinho da Madeira propôs e apresentou uma série de medidas e disposições legais e de carácter administrativo tendo em vista adequar a vitivinicultura e a produção e o comércio do vinho na Região aos padrões e exigências da então Comunidade Económica Europeia.

Ficou assim criado durante os anos que se seguiram o quadro jurídico-legal que disciplinaria o sector da vinha e do vinho na Região Autónoma da Madeira.

Internamente, o Instituto organizou-se com os serviços necessários a responder às solicitações dos agentes económicos do sector e, ao mesmo tempo, a cumprir o seu papel dentro do quadro normativo então criado.

Aos Serviços de Fomento Vinícola coube fiscalizar e controlar o fabrico e a comercialização dos vinhos, implementando o registo das instalações de fermentação, destilação, rectificação, preparação e armazenagem, estabelecendo contas correntes de entradas, saídas e existências, procedendo à colheita de amostras de vinhos para análise e emitindo selos de garantia e certificados de origem. A par do Fomento Vinícola, instituiu-se um outro serviço operativo de não menos importância que foi o Laboratório Vitivinícola, encarregue de realizar nos vinhos os ensaios laboratoriais e as análises necessárias à emissão dos boletins para a respectiva certificação. Além da análise química aos vinhos, o Instituto preocupou-se desde a primeira hora em ter uma Câmara de Provadores a quem coube efectuar a análise sensorial dos vinhos e, através do seu parecer vinculativo, assegurar a qualidade e genuinidade dos mesmos.

Num mercado global onde a competitividade exige uma permanente aposta na qualidade e na promoção, sem perder de vista a consolidação e o crescimento sustentado da produção dos produtos tradicionais regionais, importa, em prol da eficiência do serviço público e da economia de meios, concentrar a promoção e divulgação destes produtos, sob a alçada de um único organismo, dotado de autonomia administrativa e financeira.

Neste sentido o IVBAM procura dar continuidade à política de apoio aos sectores da Vinha e do Vinho e do Bordado e Artesanato Regional e preservar todo o capital de credibilidade conquistado pelos então IVM e IBTAM.